O dia seguinte às eleições de 1º turno começou agitado no mercado financeiro, reflexo dos resultados vistos nas urnas. Analistas apostam que o dia deve ser de queda do dólar e alta na Bolsa devido ao desempenho do candidato Jair Bolsonaro (PSL) na disputa pela presidência.

O dia abriu com o dólar em forte queda e chegou a recuar mais de 3%. Às 10h10, a tendência de queda parou e ele valia R$ 3,751, recuo de 2,22% em relação ao fechamento da sexta (5).

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Bolsa em alta

Na B3, há euforia na abertura do pregão. Às 10h28, o Ibovespa apresentava alta de 5,63%, superando os 87 mil pontos.

Os recibos de ações (ADRs) de empresas brasileiras negociados nos Estados Unidos também tiveram forte alta no pré-mercado, de acordo com o Valor. Em Nova York, as ADRs da Petrobrás operavam em alta de 15,31%, a US$ 16,04, às 9h45. O maior fundo de índice (EFT) ligado a ações brasileiras de lá, o iShares MSCI Brazil Capped (ou EWZ), avança 9,3% no momento, a US$ 40,07.

Com 46,03% dos votos válidos, Bolsonaro vai para a disputa do segundo turno pela Presidência como favorito. Enfrentará o petista Fernando Haddad, o preferido de 29,28% do eleitorado brasileiro. O candidato do PSL é o favorito do mercado. A eleição de 52 deputados federais do partido, que formará a segunda maior bancada da Câmara, também contribuiu para o otimismo — isso ajudará a dar governabilidade a Bolsonaro caso ele vença no segundo turno.

Relembre as promessas de Ratinho Junior, governador eleito do Paraná