Crise política e risco de novo rebaixamento por agência de classificação de risco leva moeda a novo recorde de alta; moeda sobe pelo sexto dia consecutivo

O dólar comercial disparou nesta quinta-­feira, 24, e atingiu a nova marca histórica de R$ 4,22, um avanço de 2,06% ainda no início das negociações. A moeda abriu a sessão cotada a R$ 4,219 (alta de 2,03%). Na véspera, fechou cotada a R$ 4,135.

O dólar não para de bater recordes de alta desde a terça­feira, 22, quando ultrapassou a marca dos R$ 4, atingindo as maiores cotações
desde a criação do real, em 1994. Entretanto, a moeda já sobe pela sexta sessão consecutiva.

No radar dos investidores está a crise política no País, que impede o governo de realizar o ajuste fiscal, e temores de um novo
rebaixamento pela agência de classificação de risco Fitch, que se reuniu essa semana em Brasília com a equipe econômica para avaliar a
situação do País.
O nervosismo foi acentuado pela deterioração das projeções para a economia trazidas pelo Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central, que prevê queda de 2,7% para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2015.

Outra notícia ruim é a de que a taxa de desemprego em agosto subiu para 7,6% nas seis principais regiões metropolitanas do País , a maior desde setembro de 2009 segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).