Apesar da estabilidade no segmento de veículos, as vendas totais de consórcios caíram 9,2% nos primeiros sete meses do ano, para um volume de 859,3 mil novas cotas comercializadas. Segundo a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), a retração foi provocada principalmente pelo setor de eletroeletrônicos, cujas vendas de novas cotas caíram 42% no período, para 129 mil unidades. O número de consorciados no segmento também foi reduzido, passando de 346 mil participantes em julho do ano passado para 307,8 mil este ano.

O total de participantes dos consórcios em todos os segmentos manteve em julho a tendência de alta ocorrida nos primeiros seis meses do ano e cresceu 1,5%, para 2,922 milhões de participantes ativos, ante 2,877 milhões no mesmo mês de 2001.

As contemplações de consorciados em todos os grupos totalizaram 434,4 mil bens até julho deste ano, crescendo 2,5% em relação ao mesmo período do o ano passado. A inadimplência entre os contemplados foi de 11,2% em julho, ligeiramente superior aos 10,9%, registrados em 2001.

Imóveis em alta – O segmento de imóveis continuou sendo um dos mais procurados das administradoras de consórcios. O total de consorciados aumentou 26%, de 87,3 mil participantes em julho de 2001 para 110 mil pessoas no mesmo mês deste ano. As vendas de novas cotas de imóveis apresentaram aumento de 23,3%, atingindo 40,7 mil unidades no período de janeiro a julho de 2002.