Arquivo
Arquivo

A indústria do Paraná foi a segunda que mais gerou empregos no País em outubro.

A indústria do Paraná foi a segunda que mais gerou empregos no País em outubro, na comparação com igual mês do ano passado. O crescimento foi de 4,6%, atrás apenas de São Paulo – onde a variação foi de 5,4% – e acima da média brasileira de 3,4%. No acumulado do ano (janeiro a outubro), a indústria paranaense também tem destaque no emprego, com crescimento de 2,7% – o segundo melhor desempenho do País e acima da média nacional, de 2%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (Pimes), divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em outubro, 14 dos 18 setores pesquisados registraram aumento no número de empregos no Paraná, com destaque para a indústria automotiva, com crescimento de 33%, seguida pela indústria de alimentos e bebidas (5%) e de máquinas e equipamentos (14,4%). ?O setor meios de transporte (montadoras) tem se destacado não só no Paraná, mas também em São Paulo e em Minas Gerais?, apontou Denise Cordovil, economista do IBGE. No caso da indústria de máquinas e equipamentos, segundo Denise, a contratação de mais funcionários reflete a ampliação de investimentos na indústria e a recuperação do setor agrícola. ?São os setores de bens de consumo duráveis (caso das montadoras) e de bens de produção de capital que vêm puxando a geração de empregos?, apontou ela.

Também no acumulado do ano, o setor automotivo foi o que mais contratou no Paraná (crescimento de 25,4%), seguido pela indústria de alimentos e bebidas (5,7%) e de produtos químicos (17,61%), que inclui a produção de adubos e fertilizantes.

Já a folha de pagamento real cresceu 4,9% na indústria do Paraná em outubro, abaixo da média nacional de 6,1%. Entre os setores que registraram maiores altas, destaque para a indústria automotiva (variação de 35%), minerais não-metálicos (15,6%) – que inclui produtos como cimento e cerâmica, refletindo a retomada da construção civil -, além de máquinas e equipamentos. A folha de pagamento real cresceu em 13 dos 18 setores pesquisados.

País

Em nível nacional, o emprego industrial cresceu 0,3% em outubro ante setembro. Na comparação com outubro de 2006, a expansão 3,4% foi a maior desde dezembro de 2004 (4,1%). No acumulado no ano até outubro, o acréscimo na ocupação do setor foi de 2% e, no período de 12 meses até outubro, de 1,8%.

Entre os setores investigados, 12 dos 18 segmentos registraram alta no emprego ante outubro do ano passado, com destaque para os impactos positivos vindos de alimentos e bebidas (4,1%), meios de transporte (11,2%), máquinas e equipamentos (10,9%) e produtos de metal (9,2%).