O emprego industrial registrou em fevereiro a segunda alta consecutiva. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o número de vagas cresceu 0,3% em relação ao mês anterior. Em janeiro, a indústria havia contratado 0,9% a mais que em dezembro.

Para o economista do IBGE André Macedo, os resultados mostram uma tendência de aumento gradual no nível de emprego industrial. Ele explicou que a abertura de vagas está sendo puxada pelo setor externo. As contratações ocorreram principalmente nos segmentos ligados à agroindústria e de máquinas e equipamentos relacionados às exportações.

Os resultados positivos, entretanto, não compensam as perdas ocorridas ao longo dos últimos meses. No primeiro bimestre deste ano, o emprego no setor ainda apresenta perda de 1,2% em relação ao mesmo período de 2003. Quando se compara com o fevereiro do ano passado, o número de vagas caiu 0,9% em fevereiro deste ano.

Nesta comparação (fevereiro de 2004 com fevereiro de 2003), nove dos 14 locais e dez das 18 atividades pesquisadas registraram queda.

Regiões

A indústria paulista foi a que mais puxou o emprego do setor para baixo, ao cortar 1,8% de seu contingente de trabalhadores. Também contribuíram para a queda as indústrias do Rio Grande do Sul e Espírito Santo, que diminuíram em 3,5% e 7,0% o número de vagas. Em termos setoriais, a indústria demitiu nos segmentos relacionados ao consumo interno, que ainda se ressente do baixo poder aquisitivo da população. Os segmentos de vestuário, de papel e gráfica e têxtil apresentaram as maiores pressões para a redução do nível de emprego , com cortes de 11,8%, 6,4% e 6,1%, respectivamente.

O setor de máquinas e equipamentos foi o que mais contratou em fevereiro na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Estimulado pelo setor agroindustrial exportador, tal ramo registrou alta de 9,1% no nível de emprego, com a maior produção de tratores, colhedeiras e outros equipamentos agrícolas.

Renda

Já a renda do operário apresentou alta. Por conta de taxas menores de inflação e de pagamento de benefícios, o pagamento médio recebido pelo trabalhador da indústria subiu 11,1% em relação a fevereiro do ano passado e já acumula ganho de 9,7% no primeiro bimestre deste ano. Em 12 meses, entretanto, a renda média recebida ainda apresenta queda, de 1%.

Embora o nível de emprego tenha se elevado de janeiro para fevereiro, a produção do setor caiu 1,8% no período, segundo dados já divulgados pelo IBGE.