O número de empregados do setor privado com carteira, na Região Metropolitana de Curitiba, cresceu 8,4% em um ano, totalizando 751 mil trabalhadores em janeiro. Foram mais 58 mil empregos formais quando se compara a janeiro de 2009. O rendimento médio destes trabalhadores também cresceu, sendo de R$ 1.313,30 em janeiro, com aumento de 7,8% em um ano. Os dados são da Pesquisa Mensal de Emprego, feita pelo Ipardes (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social) e divulgados nesta sexta-feira (5).

A taxa de desocupação foi de 5,4% em janeiro, a mesma registrada em janeiro de 2009. Isto significa que em janeiro deste ano havia 86 mil pessoas na RMC desempregadas e procurando trabalho. O número de ocupados não variou em um ano, embora tenha caído 2,2% de janeiro para dezembro, quando a taxa de desemprego havia sido de 3,8%.

Em janeiro de 2010, no confronto com o mesmo mês de 2009, a indústria foi o setor mais afetado no número de ocupados, apresentando queda de 7,8%, menos 25 mil pessoas. Por outro lado, a construção civil teve um incremento de 17,1%, mais 18 mil pessoas ocupadas.

O rendimento médio real recebido pelos ocupados foi de R$ 1.434,30 em janeiro, mostrando um acréscimo de 0,6% em um ano. Para os trabalhadores do setor privado sem carteira, este valor foi de R$ 889,00, com alta de 5%. Também com acréscimo em um ano, o rendimento médio dos trabalhadores por conta própria, foi de R$ 1.309,30 que aumentou 2,1%. A massa real de rendimentos aumentou 543 milhões de reais de novembro para dezembro do ano de 2009.

O número de pessoas de 10 anos ou mais de idade e que compõe a População em Idade Ativa (PIA) foi estimado em 2,636 milhões, aumentando 2,6% em um ano. Desse total, 60,1% compunha-se de pessoas economicamente ativas (PEA) e 39,9% de não-economicamente ativas (PNEA). A taxa de atividade (relação entre as pessoas economicamente ativas e as pessoas em idade ativa) foi de 60,1% no mês de janeiro.