A expectativa dos empresários brasileiros do setor de comércio com o faturamento e vendas na Páscoa deste ano caiu ao menor nível para as todas as datas comemorativas desde a criação da pesquisa da Serasa Experian, no segundo semestre de 2005.

De acordo com o levantamento, divulgado nesta terça-feira (7), 36% dos empresários afirmaram que esperam manutenção do faturamento neste feriado na comparação com 2008 e outros 36% apostam na queda da receita na mesma base de comparação. É o maior porcentual de empresários que preveem queda do faturamento no feriado desde a Páscoa de 2006, a primeira vez em que as expectativas para este feriado foram medidas pela Serasa Experian.

Entre os empresários que preveem redução do faturamento, a diminuição média esperada é de 20,7% na comparação com a mesma data do ano passado. Já 28% dos empresários acreditam em aumento do faturamento de, em média, 14,9%, este ano. Vale ressaltar que, em 2008, 55% dos empresários previam aumento do faturamento, 37% estabilidade e 8% queda. A Serasa Experian ouviu 1.015 empresários do varejo entre os dias 9 e 16 de março.

O levantamento mostrou que os grandes estabelecimentos são os mais otimistas, com 45% dos entrevistados esperando crescimento da receita e 20%, queda. Na outra ponta, as pequenas empresas são as menos otimistas – 38% dos empresários preveem recuo no faturamento na Páscoa neste ano e apenas 25% esperam expansão.

Já as médias empresas do varejo apresentaram expectativas mais uniformes: 38% acreditam em alta do faturamento, 33% em estabilidade e 29% em queda. A expectativa com o volume de vendas veio relativamente em linha com o verificado para o faturamento. Entre os empresários entrevistados, 39% esperam queda no volume de vendas, com uma redução média esperada de 18,8%. Foi o maior nível registrado pela Serasa Experian não apenas para a Páscoa, mas para todas as datas comemorativas do varejo desde 2005, quando a pesquisa foi iniciada.

Já 33% apostam em estabilidade e 28%, em alta das vendas. Na Páscoa de 2008, apenas 8% previam recuo das vendas, enquanto 35% acreditavam em manutenção e 57% em alta.

O pequeno varejo foi o menos otimista, com 42% dos entrevistados prevendo diminuição da quantidade vendida e 25% crescimento. Entre as médias empresas, 37% aguardam alta das vendas, 30% estabilidade e 33% queda.

Para 94% dos empresários, a conjuntura econômica será responsável queda das vendas. Já entre os que esperam alta das vendas, 67% acreditam que este avanço será motivado por fatores microeconômicos e de mercado, como lançamento de produtos e promoções.

Segundo a pesquisa, 71% dos empresários avaliam que os presentes na Páscoa deste ano serão os tradicionais ovos e outros produtos de chocolate, enquanto 8% esperam diversificação com roupas, sapatos e acessórios, e outros 8% apostam em brinquedos. Já o celular foi citado por 3% dos entrevistados como opção de presente.

Os empresários esperam que 50% das vendas serão feitas à vista e 50% a prazo. Na Páscoa de 2008, 53% esperavam vendas a prazo e 47% à vista. Na modalidade a prazo, os entrevistados acreditam que 37% dos pagamentos serão feitos no cartão de crédito parcelado; 32% cheque pré-datado; 24% financiamento ou crediário; 5% cartão de débito parcelado e 2% cartão de loja parcelado.

Para a Serasa Experian, o resultado mostra que o consumidor, mais cauteloso nesta Páscoa, não pretende se endividar neste feriado e deve gastar menos com os presentes do que nos anos anteriores.