Numa tentativa de combater os efeitos da crise internacional sobre a economia de seus respectivos países, o governo da Itália anunciou um aumento nos investimentos em infraestrutura e o governo da Espanha divulgou novas medidas para incentivar as contratações.

De acordo com o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, o governo italiano expandiu em 5 bilhões de euros um pacote de investimentos em infraestrutura que já contava com 16,6 bilhões de euros, anunciados em novembro do ano passado, e aumentou em 4 bilhões de euros os recursos destinados ao pagamento de auxílio a desempregados.

Além disso, também foi criado um fundo estratégico de 9 bilhões de euros que tem como objetivo ajudar empresas com projetos específicos a superar a crise econômica, acrescentou Berlusconi.

O Banco da Itália alertou nesta semana que a economia italiana pode sofrer a pior contração econômica desde a Segunda Guerra Mundial neste ano, de 2,6%, após uma retração de 1% em 2008.

Na Espanha, o governo aprovou medidas de aproximadamente 1,5 bilhão de euros para combater o aumento na taxa de desemprego do país, que registrou o maior ritmo de crescimento da União Europeia (UE) em estimativas recentes.

De acordo com o plano, as empresas que contratarem pessoas desempregadas há no mínimo três meses não precisarão pagar os impostos trabalhistas relativos a estes funcionários por até três anos. O governo assumirá os encargos durante o período.

O governo também reduzirá os impostos pagos pelas empresas por funcionários com jornada de meio período.

De acordo com dados publicados no mês passado pela agência de estatísticas da União Europeia (Eurostat), a Espanha registrou taxa de desemprego de 14,8% em janeiro, em comparação a uma taxa de 8,2% para a zona do euro. As informações são da Dow Jones.