A Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior reuniu ontem os representantes das 18 instituições que fazem parte do Programa Paranaense de Cooperação em Inovação (PPCI) em um seminário sobre o tema “Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior, diretrizes e definições recentes”. O evento, realizado no Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), foi aberto pelo assessor do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, o economista Fernando Rezende, um dos responsáveis pela elaboração da nova política industrial brasileira.

“Este encontro será um referencial importante para as futuras decisões no âmbito do Programa paranaense”, disse o secretário de Ciência e Tecnologia, Aldair Rizzi. O PPCI foi criado pelo governo do Estado com o objetivo de construir uma política pública de médio e longo prazo para o setor. As primeiras linhas do programa, que é inédito e teve sua primeira reunião em março, começam a ser definidas agora.

Ao invés de uma conferência, com o anúncio das medidas da nova Política Industrial em vigor, Fernando Rezende optou por um debate “uma forma mais produtiva para aprofundar os temas, permitindo a participação de todos”, disse. No encontro, o economista destacou alguns pontos: a necessidade de adotar uma política para o setor como parte integral da agenda macroeconômica, criando condições para avançar no padrão de competitividade internacional; a associação da política industrial com a política de inovação científica e tecnológica e incorporação de uma visão de futuro, transformando conhecimento em inovação. “Precisamos atuar seletivamente, trabalhar as limitações existentes e abrir espaços para que a política industrial avance”, afirmou Rezende destacando que ações como a da formação de um comitê gestor, como está fazendo o governo do Paraná com o PPCI, e a realização desse tipo de encontro na seqüência das medidas anunciadas pelo governo federal possibilitará um engajamento das instituições de Ciência e Tecnologia, sendo uma das maneiras de se avançar na implantação da nova política. “É preciso existir um comprometimento das pessoas envolvidas”, disse.

O programa paranaense pretende estruturar redes temáticas de cooperação em inovação, em áreas estratégicas para o Estado do Paraná, através da formação de parcerias que evitem a duplicação de esforços e durante o encontro foi acenado com o que pode vir a ser a formação da primeira rede temática entre a Universidade Federal do Paraná e as universidades estaduais de Londrina e Maringá na área de bioequivalência.

As instituições estarão encaminhando sugestões ao comitê gestor do PPCI, de responsabilidade do Tecpar, para aprimorar a proposta de atuação do grupo e apresentação dos projetos prioritários. A próxima reunião do grupo deverá acontecer em maio.