Estabilizar os mercados financeiros do Chipre e fazer com que a calma volte à zona do euro são passos cruciais que vão beneficiar a União Europeia, afirmou nesta quarta-feira o presidente da Comissão Europeia – o braço executivo da UE -, José Manuel Barroso.

“É do interesse de todos os 27 países resolver a questão do Chipre. Se o programa de resolução bancária estivesse em vigor hoje, a situação no Chipre seria muito mais simples”, disse Barroso, em entrevista coletiva à imprensa juntamente com o primeiro-ministro da República Checa, Petr Necas.

Mais cedo, o Chipre e o Fundo Monetário Internacional (FMI) chegaram a um acordo para uma linha de crédito de 1,0 bilhão de euros que complementará a ajuda de 9,0 bilhões de euros que a ilha receberá de seus parceiros da zona do euro. O FMI afirmou que o conselho executivo da instituição deverá aprovar o plano de assistência no começo de maio. As informações são da Dow Jones.