Os Estados Unidos e mais 11 países banhados pelo Oceano Pacífico, que representam 40% do PIB mundial, estão mais perto de um acordo comercial que pode diminuir as barreiras para negociação de bens e serviços entre esses países.

Autoridades e funcionários dos 12 países pretendiam encerrar as negociações para fechar o Tratado Transpacífico (TPP) após dois dias de negociações. No entanto, o fechamento do acordo foi adiado por uma disputa entre os EUA e a Austrália sobre proteção de propriedade intelectual para medicamentos biológicos. Outras questões também precisam ser resolvidas, como as tarifas cobradas pela Nova Zelândia e outros países para importação de produtos lácteos. Uma terceira disputa – sobre regras de montagem de automóveis – está praticamente resolvida, de acordo com funcionários e pessoas próximas às negociações.

Funcionários dos EUA expressaram otimismo na manhã deste domingo, sobre a possibilidade de que os países pudessem aparar as arestas e chegar a um acordo antes de todos saírem de Atlanta. O ministro da Economia do Japão, Akira Amari, está pronto para encerrar as conversações amanhã, o que sugere que um sucesso ou fracasso nas negociações deve ser anunciado nas próximas horas.

“Minha sensação é de que haverá um fim hoje”, disse Tami Overby, vice-presidente sênior para a Ásia da Câmara de Comércio dos EUA. “Eu não acho que será um acordo perfeito, mas acredito que será muito bom”, disse.

Um acordo seria uma grande vitória para o presidente Barack Obama, que tem elogiado o Tratado como parte de reequilíbrio da sua administração na política externa com economias de rápido crescimento na Ásia, embora o presidente ainda precise enfrentar um desafio nos próximos meses: conseguir a aprovação para o acordo em um Congresso muito dividido.

Os países participantes do TPP são Austrália, Canadá, Chile, Brunei, Estados Unidos, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura e Vietnã. Fonte: Dow Jones Newswires.