Quem esperou até ontem para comprar chocolates para a Páscoa teve que enfrentar filas e muito movimento nos estabelecimentos que vendem produtos do gênero, em Curitiba.

Acompanhando as expectativas dos fabricantes, que esperavam vender até 10% mais que no ano passado, o comércio já fala em metas superadas e tenta manter os estoques suficientemente abastecidos para atender à demanda até sábado.

Os super e hipermercados estão entre os locais com mais movimento nos últimos dias. Em lojas do Grupo Pão de Açúcar, por exemplo, as expectativas já foram cumpridas na noite de quarta-feira (14).

Nos estabelecimentos do Mercadorama e do Big, a expectativa era grande para esta semana, já que até o último sábado apenas 30% do estoque tinha sido comercializado. Já o Carrefour espera que, só nessa reta final, as vendas de chocolate cresçam mais 18% sobre o que já foi vendido até agora.

Mas a procura e as metas não são grandes apenas em relação aos chocolates. Os pescados, por exemplo, devem ter seu ápice de vendas nos dias que antecedem a Páscoa. A rede Pão de Açúcar espera vender, entre ontem e hoje, 60% dos pescados que negociou para a data.

Confirmando o aumento na procura, o grupo informou que as lojas do Extra venderam mais 30% de bacalhau que no mesmo período do ano passado. E as encomendas do produto foram 45% maiores este ano.

Apesar de várias redes de lojas e supermercados estarem promovendo promoções relâmpago de produtos de Páscoa, é necessário que o consumidor fique atento.

O Procon do Paraná detectou, em pesquisas, variações de até 84% nos preços de produtos típicos de chocolate. Os dados estão disponíveis no portal do órgão na internet (www.procon.pr.gov.br).

Já o Instituto de Pesos e Medidas do Paraná (Ipem) encontrou, em sua operação de Páscoa deste ano, irregularidades especialmente nos pesos dos pescados, onde é comum haver excesso de gelo. Já a maioria dos ovos e coelhos de chocolate estavam de acordo com as especificações, principalmente em Curitiba.