A Administração da Aviação Federal (FAA, na sigla em inglês), o órgão que regulamenta a aviação nos Estados Unidos, determinou a substituição de um software de controle eletrônico de motor considerado suspeito em mais de 250 jatos regionais da companhia brasileira Embraer. Anunciada ontem, a decisão expande uma diretriz de segurança de julho de 2008 que se seguiu a incidentes ocorridos em voos. Na época, motores da General Electric em seis aviões Embraer 170 perderam propulsão ou passaram a não responder aos comandos dos pilotos.

O problema apareceu quando a GE tentava corrigir uma falha anterior no software, que afetava válvulas de controle do fluxo de combustível para os motores. Os incidentes levaram a inspeções e a diversos estudos de segurança, feitos pela GE, pela Embraer e por órgãos reguladores em todo o mundo.

Há oito meses, a GE disse que os problemas no motor do Embraer 170 não tinham voltado a aparecer desde o verão (no hemisfério norte) de 2008. A GE e a empresa brasileira voluntariamente instruíram as companhias aéreas a instalarem um conserto permanente. Até o segundo semestre deste ano, a GE disse que mais de 80% dos aviões que foram alvo dos mandados federais e dos boletins de segurança da fabricante haviam sido consertados.

No entanto, desde então a FAA já registrou outros 20 incidentes semelhantes de perda do controle do motor que afetaram jatos da Embraer, de acordo com o documento de segurança atualizado da agência. O software de controle de motor revisado deve ser instalado dentro de 600 horas de tempo de voo após a regra mais recente entrar em vigor, no fim de dezembro. As informações são da Dow Jones.