O juiz norte-americano Thomas Griesa ordenou ao governo da Argentina que prossiga com uma proposta de trocar sua dívida reestruturada por bônus que seriam emitidos no país.

Segundo Griesa, o plano alternativo anunciado pela presidente argentina, Cristina Kirchner, em 26 de agosto, é uma tentativa de evadir sua sentença num processo aberto contra Buenos Aires por fundos que exigiram ser pagos por bônus que foram alvo de moratória da Argentina.

Em decisão anunciada ontem à noite, o juiz disse que qualquer tentativa da Argentina de implementar um plano diferente seria uma violação a uma liminar em vigor desde março de 2012 e a sua própria sentença.

Griesa também determinou que a Argentina revele qualquer comunicação que tenha tido com detentores de bônus, instituições financeiras e outros sobre qualquer plano ou proposta que tenham como objetivo evitar suas decisões.

O governo de Cristina prometeu continuar pagando detentores de bônus atuais da Argentina, independentemente das determinações da Justiça norte-americana.

“A ordem de Griesa não acrescenta nenhum elemento novo ao caso”, afirmou em comunicado o Secretário de Finanças argentino, Adrian Cosentino.

A batalha legal da Argentina com fundos de hedge teve início com a moratória declarada sobre US$ 100 bilhões em dívida soberana, em dezembro de 2001. Posteriormente, o país reestruturou cerca de 93% de sua dívida oferecendo aos credores novos bônus com valor de face bem inferior, em 2005 e 2010. Griesa e o Tribunal de Apelação do 2º Circuito dos EUA julgaram a favor dos fundos. Fonte: Dow Jones Newswires.