O líder da maioria republicana e presidente da Câmara dos Representantes, John Boehner, fez um claro apelo hoje aos democratas para sentem à mesa para negociar e pôr fim à paralisação do governo dos EUA. Boehner reuniu a imprensa após uma reunião com deputados republicanos para afirmar a disposição do partido em negociar e destacar que são os democratas que não aceitam sentar à mesa de negociação.

Em seguida, o líder da maioria democrata no Senado, Harry Reid, respondeu no plenário do Senado que os democratas estão prontos a negociar os gastos do setor público assim que os republicanos concordarem em reabrir o governo e aumentar o teto da dívida pública. “Todos têm meu compromisso: abram o governo, elevem o teto da dívida, e nós conversaremos sobre qualquer coisa que vocês quiserem”, disse Reid, dirigindo-se à oposição.

Sob pressão para manter seu partido unido e para estancar a deterioração da imagem dos republicanos perante a opinião pública americana, Boehner foi enfático ao destacar a disposição para negociar: “Tudo que estamos pedindo é para sentarmos e conversarmos”, apelou. “Não há nenhuma razão para tornar mais difícil colocar as pessoas à mesa de negociação. Não há limites em relação a isso; não há nada sobre a mesa e nada fora da mesa”, disse o líder republicano, dando sinais de um início de flexibilização em relação à sua postura das últimas semanas. Ele repetiu diversas vezes que os republicanos “querem uma negociação”. “É hora de nós sentarmos e resolvermos nossas diferenças”, pediu Boehner. “Nós iremos sentar e conversar ou não?”, questionou, dirigindo-se aos democratas.

O apelo da oposição ao governo de Barack Obama por uma negociação é o primeiro que surge após várias semanas de queda-de-braço entre democratas e republicanos no Congresso americano, e uma semana após o governo ter paralisado parcialmente os serviços públicos e dispensado milhares de servidores diante da ausência de acordo sobre o financiamento da administração. (Com informações da Dow Jones e Market News International)