São Paulo (AE) – Um relatório divulgado ontem pelo Bradesco traz estimativas otimistas para a ampliação das carteiras de crédito das instituições financeiras em 2004. De acordo com o economista-chefe do banco, Octávio de Barros, as linhas de financiamento brasileiras podem experimentar uma expansão de 19,3% neste ano. Em 2003, a alta dos volumes financeiros das carteiras de crédito de instituições financeiras foi de 8,35%.

Para a carteira livre – que contém recursos sem direcionamento -, o banco projeta um crescimento de 24,6%, apoiado, principalmente, na maior contratação de crédito por pessoas físicas.

Segundo o executivo, a retomada da atividade econômica e melhora nos níveis de renda e emprego serão as principais responsáveis pelo crescimento das linhas. Além disso, diz o relatório, “historicamente, o segundo semestre do ano é marcado por uma produção de ativos creditícios mais forte do que o observado no primeiro semestre”.

O economista-chefe do Bradesco afirma ainda que o crédito destinado a empresas deve experimentar uma expansão significativa com base na melhora dos níveis de endividamento das companhias nacionais. “As grandes empresas brasileiras estão bastante líquidas, quitam dívidas em maior volume do que no ano passado e estão próximas de encerrar um ciclo de reestruturação financeira que durou cinco anos e se preparam, portanto, para inaugurar uma nova fase de investimentos que requererá suporte do sistema financeiro”, ressalta no relatório. Para 2005, o Bradesco estima uma expansão da carteira de crédito total da ordem de 16,3%.