Divulgação/SRP
Primeiro leilão de gado de corte atraiu dezenas de pessoas ao
recinto do Parque.

As ambiciosas metas de crescimento, de 5% em relação ao ano passado, da 48.ª Exposição Agropecuária e Industrial de Londrina 16ª Internacional ExpoLondrina 2008, refletem um bom momento da agricultura paranaense e nacional. O presidente da Sociedade Rural do Pardaná, promotora do evento, Alexandre Lopes Kireeff, diz que as metas foram projetadas ?diante de circunstâncias que nos fizessem acreditar que pudessem ser alcançadas?.

E as circunstâncias são favoráveis: o secretário de Estado da Agricultura, Valter Bianchini, acredita que a exposição deste ano se realiza em um cenário especial. ?A safra deste ano deve chegar a 30 milhões de toneladas?, prevê, lembrando também o bom momento da pecuária.

Para Kireeff, o cenário favorável pode inclusive ajudar na renegociação das dívidas dos agricultores, assunto que causa apreensão no setor. Como a projeção para este ano é de boas safras, os pagamentos, segundo ele, podem ser extraídos da renda líquida que os agricultores têm a receber. ?Esperamos que a negociação entre os setores agrícolas e o governo evolua para um entendimento?, diz.

Sobre a dívida agrícola, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, anunciou, em seu discurso durante a abertura da feira, que no próximo dia 10 deverá ser divulgado um plano de reestruturação. Cerca de R$ 87 bilhões deverão ser renegociados, segundo Stephanes, atingindo entre 80% e 90% dos produtores endividados.

Pelo projeto, os produtores endividados terão a possibilidade de parcelar a dívida em até cinco anos, dependendo do caso. Já os que optarem por prazos menores poderão ter descontos entre 30% e 70%. ?Alguns casos, em que o produtor optar por pagar a dívida à vista, o desconto poderá chegar até 80%?, diz Stephanes.

A pecuária também está com melhores perspectivas. Dois anúncios realizados durante a abertura da ExpoLondrina ajudam nisso: um deles é da negociação do ministério da Agricultura com a Organização Internacional de Epizotias (OIE), que permitirá ao Paraná e a outros estados reconquistar, mediante vacinação, o status de área livre de aftosa.

?Estamos otimistas. Atendemos a todas as exigências da OIE, desde os cuidados com as barreiras na divisa como Paraguai, até a certificação das vacinações por veterinários do ministério?, comentou Stephanes.

Outro anúncio foi o da adesão do Paraná ao Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Animal (Suasa). Criado no início do ano, o sistema integra os serviços municipais, estaduais e federal de inspeção de produtos de origem animal permitindo, assim, que produtos inspecionados por órgãos municipais ou estaduais possam ser vendidos em todo o país. Antes, só tinham livre trânsito no território nacional os produtos sujeitos a inspeção federal.

A adesão, de acordo com Bianchini, beneficiará cerca de 500 agroindústrias do Paraná. ?O Paraná está pronto para reconquistar o direito de exportação para todos os países do mundo?. A entrega do protocolo de adesão ao ministro Stephanes ocorreu durante a solenidade de abertura da exposição.