As exportações brasileiras totais de álcool cresceram 70,9% em volume e 98,7% em faturamento no primeiro semestre deste ano, informou nesta quinta-feira (5) o Departamento de Açúcar e Álcool do Ministério da Agricultura.

De janeiro a junho deste ano foram enviados ao exterior 1,546 bilhão de litros de etanol e o faturamento atingiu US$ 698 milhões. No mesmo período de 2006, as exportações do combustível somaram 904,6 milhões de litros e geraram receita de US$ 351 milhões.

No mês passado, foram exportados 214,2 milhões de litros de álcool e o faturamento atingiu US$ 86,5 milhões. Em junho de 2006, o volume exportado foi de 166,3 milhões de litros e o faturamento, de US$ 76,6 milhões. O preço médio do etanol exportado foi de US$ 451 por metro cúbico (mil litros) no primeiro semestre de 2007, ante US$ 388,4 por metro cúbico em igual período de 2006, alta de 16,11%.

Os Estados Unidos seguem como o principal destino do álcool brasileiro, com 458,3 milhões de litros importados entre janeiro e junho deste ano, ou 29,6% do total. No entanto, os norte-americanos diminuíram a fatia de participação, pois, em igual período de 2006, respondiam por 42% das exportações brasileiras totais de álcool, com 382,6 milhões de litros. Os importadores dos Estados Unidos pagaram ainda um preço médio de US$ 462 por metro cúbico do etanol brasileiro no semestre.

Já as exportações de álcool para a Europa, via porto de Roterdã, dispararam 119,5% em volume, se comparados os dois primeiros semestres de 2006 e 2007. O volume exportado para a Europa saltou de 82 milhões de litros para 180 milhões de litros. Para o Japão, mercado importante de consumo de álcool não-combustível as exportações subiram de 111,5 milhões de litros, entre janeiro e junho de 2006, para 172,8 milhões de litros no primeiro semestre deste ano.

De acordo com o diretor do Departamento de Açúcar e Álcool do Ministério da Agricultura, Ângelo Bressan, o aumento nas exportações e, principalmente, no faturamento e no preço médio ajudam o produtor de álcool a compensar as perdas no mercado interno. O preço do álcool combustível cai há dez semanas nas usinas paulistas, principal centro produtor do País, e são os menores desde 2005. Bressan lembrou ainda que em junho de 2006 cresceram as entregas de álcool na safra passada, graças a uma "bolha exportadora" aberta para os Estados Unidos, o que pode sinalizar para uma diminuição no crescimento do mercado externo para o combustível no segundo semestre.