As exportações do Paraná somaram US$ 6,474 bilhões no primeiro semestre de 2010, uma alta de 12,31% na comparação com o mesmo período do ano passado. As importações fecharam com elevação de 52%, totalizando compras de US$ 5,832 bilhões. O saldo foi de US$ 642 milhões. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Segundo o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Virgílio Moreira Filho, o Paraná conquistou a maior alta entre os estados do Sul. “Nossas exportações superaram as do Rio Grande do Sul (6,51%) e de Santa Catarina, com crescimento de 11,83%”.

Entre os produtos que contabilizaram incremento nas exportações nos primeiros seis meses de 2010 destacam-se a soja em grão, com participação de 21% do total das vendas estaduais, frango congelado, automóveis, açúcar e óleo de soja.

Em relação às importações, o Paraná comprou principalmente óleo de petróleo, automóveis, produtos químicos, circuitos integrados, peças para o setor automotivo e trigo.

Mercados

China, Argentina, Alemanha, Holanda e Estados Unidos figuram como os maiores compradores de produtos paranaenses. Entre os blocos econômicos, a Ásia está como principal parceiro do Paraná, com elevação de 20% no período, seguida pela União Europeia.

Os países do Mercado Comum do Sul (Mercosul), acumulam alta de 79% nas exportações nos primeiros seis meses do ano. Foram US$ 957 milhões em vendas para o Paraguai, Argentina e Uruguai. Nas importações, cerca de US$ 776 milhões (alta de 18,26% sobre 2009), o que rendeu ao Estado um saldo positivo de US$ 181 milhões.

O governo do Estado totaliza, até o momento, 48 missões políticas e empresariais no exterior, entre seminários, encontros e rodadas de negócios. Para o secretário Moreira Filho, uma das metas do Governo do Estado é fortalecer as vendas de produtos com maior valor agregado. “Hoje o setor automotivo paranaense já encontra grande espaço nos países vizinhos. Manter parceiros e aumentar mercados consumidores de produtos estratégicos para o Paraná segue entre nossas prioridades”, acrescenta.