O Ministério da Fazenda e o Banco Mundial (Bird) irão desenvolver estudos conjuntos para o desenvolvimento de novos ETFs (Exchange Traded Funds, na sigla em inglês) no Brasil. A ideia do projeto é analisar o lançamento, no mercado brasileiro, de ETF vinculado a índice de títulos públicos com a participação do emissor no processo de lançamento do fundo, ampliando a liquidez dos ativos.

Segundo nota divulgada na tarde desta terça-feira pela assessoria de imprensa da Fazenda, o ministro Guido Mantega e o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, assinaram um memorando de entendimento. “Essa é uma boa iniciativa, pois o mercado de capitais é fundamental para financiar a expansão da economia”, afirmou Mantega no comunicado. “As iniciativas para ampliar o mercado de capitais são muito importantes”, completou.

De acordo com o ministério, o desenvolvimento de ETFs, que são fundos de investimento que replicam índices de mercado, mas têm suas cotas negociadas em Bolsa, alia-se à agenda de desenvolvimento do mercado de capitais atualmente em curso no Brasil. As ETFs existentes atualmente são de índices de renda variável no País. O Brasil foi selecionado pelo Banco Mundial para a implementação do projeto-piloto do Issuer-Driven ETF e será pioneiro no desenvolvimento do modelo, elaborado pela instituição para fomentar o desenvolvimento do mercado de títulos públicos em países emergentes.