A inflação na cidade de São Paulo deve fechar maio em 0,40% e não mais em 0,43% como esperado anteriormente pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A revisão, contou há pouco o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), Rafael Costa Lima, se deve principalmente à queda mais forte que a esperada do preço do etanol, que recuou 2,14% na primeira quadrissemana do mês, e levou o grupo Transportes a uma alta de 0,04%, contra previsão da Fipe de 0,12%.

“O grupo Alimentação também deu sinais (mais fortes) de desaceleração. Esperamos elevação menor no fechamento que agora”, disse o coordenador, ao se referir à expectativa de inflação de 0,65% para o fechamento do mês para Alimentação ante 0,88% da primeira leitura de maio.

Se a alta de 0,40% para o IPC for confirmada no final do mês, será menor que a apurada em abril (0,53%), mas superior à de 0,10% registrada em maio de 2013. Apesar da estimativa de desaceleração do IPC no quinto mês na comparação com abril deste ano, Costa Lima reforçou que o quadro inflacionário ainda requer cautela. “O arrefecimento não é o bastante para ficar tranquilo. O mês de maio tradicionalmente é um período de sazonalidade mais baixa”, disse.

Por enquanto, a expectativa da Fipe para o índice fechado do ano permanece em 5,50%, mas o economista afirmou que não descarta a possibilidade de alterar a projeção ao longo deste mês. “Talvez o pico do choque agrícola tenha ficado para trás, mas o ritmo da inflação está bem alto. Já revisamos a previsão do ano para cima uma vez e, possivelmente, se decidirmos por isso, o viés será de alta”, afirmou, lembrando que do encerramento de 2013 para cá o IPC subiu 1,32 ponto porcentual e acumula ganhos de 5,20% em 12 meses até abril. “Se acertarmos a projeção de 0,40% para o mês, o índice já irá a 5,50%; é muito elevado”, completou.

De acordo com Costa Lima, além do grupo Alimentação, as classes de despesa de Habitação e Transportes vão aliviar a inflação ao longo de maio. Em relação à Habitação, o economista disse que esse conjunto de preços irá captar com mais força o desconto de 30% da Sabesp para os paulistanos que economizarem água. Já quanto a Transportes, ele espera que, com o avanço da colheita de cana-de-açúcar, o preço do etanol continue recuando no decorrer de maio.

Segundo a Fipe, a expectativa é de inflação de 0,16% para Transportes e de 0,02% para Habitação no fechamento de maio ante 0,16% e 0,04% no final de abril, respectivamente. Na primeira quadrissemana de maio, as altas para os grupos foram de 0,04% (Transportes) e de 0,06% (Habitação). O IPC-Fipe, por sua vez, foi de 0,45%, ficando acima do piso da pesquisa do AE Projeções, de 0,42%. O teto era de 0,54%, com mediana de 0,49%.