A relação entre o preço do etanol e o da gasolina em São Paulo diminuiu entre julho e agosto, ao passar de 65,71% para 65,32%, informou nesta quinta-feira, 04, o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), André Chagas. No mesmo mês do ano passado, essa equivalência estava em 64,51%.

Para Chagas, essa tendência de queda na relação deve continuar, segundo sugerem os preços em deflação do açúcar e da cana-de-açúcar no atacado. Nem mesmo o aumento da adição do etanol na gasolina deve reverter essa proporção, afirmou. O Senado aprovou na segunda-feira a medida provisória que eleva a porcentagem de etanol na gasolina. A mudança ainda deve ser sancionada pela presidente Dilma Rousseff.

Para especialistas, o uso do etanol deixa de ser vantajoso em relação à gasolina quando o preço do derivado da cana-de-açúcar representa mais de 70% do valor da gasolina. A vantagem é calculada considerando que o poder calorífico do motor a etanol é de 70% do poder dos motores a gasolina. Entre 70% e 70,50%, é considerada indiferente a utilização de gasolina ou etanol no tanque.