A equipe de economistas da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) projeta crescimento de 3,0% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2018, conforme seu cenário base, informou nesta terça-feira, 12, o economista-chefe da entidade, Guilherme Mercês. O cenário base, segundo o economista, é aquele em que o governo federal consegue aprovar uma “meia reforma”.

O cenário pessimista, em que as reformas param, é de crescimento de apenas 2,0% em 2018. “2% é o cenário pessimista, em que reformas não passam. Crescer 2% após dois anos de queda é muito pouco”, afirmou Mercês, em apresentação sobre o cenário econômico para 2018.

As projeções mostram ainda que o Rio está em situação pior do que o Brasil. Nos cálculos da Firjan, o PIB do Estado do Rio deve ter encolhido 3,8% em 2016 e, portanto, maior que a queda de 3,5% do PIB nacional. Para 2017, a Firjan estima crescimento de 0,9%, enquanto o Rio seguirá em recessão, com encolhimento de 1,1% no PIB.

Mercês também criticou o plano de recuperação fiscal firmado pelo Rio com o governo federal. Segundo o economista, o plano não funcionará porque está baseado na mesma estratégia que levou à crise.

“A estratégia do regime de recuperação fiscal está baseada na mesma estratégia do passado: usar recursos extraordinários para pagar despesas ordinárias”, afirmou Mercês.