O Chipre e o Fundo Monetário Internacional (FMI) chegaram a um acordo para uma linha de crédito de 1,0 bilhão de euros que complementará a ajuda de 9,0 bilhões de euros que a ilha receberá de seus parceiros da zona do euro. O FMI afirmou que o conselho executivo da instituição deverá aprovar o plano de assistência no começo de maio.

Em troca, o Chipre precisará ampliar os cortes e as reduções de gastos em um valor equivalente a 4,5% do Produto Interno Bruto (PIB) – além dos 5,0% do PIB até 2015 já acertados – para alcançar um superávit primário de 4,0% do PIB até 2018. Mais 2,0% do PIB em redução de gastos virão com um aumento do imposto corporativo no país de 10,0% para 12,5% e uma elevação no imposto de renda de 15,0% para 30,0%.

Em um comunicado, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, disse que o programa para o Chipre é desafiador. Com uma economia de cerca de 17,0 bilhões de euros, a ilha representa 0,2% do PIB de toda a zona do euro. As informações são da Dow Jones.