O Fundo Monetário Internacional (FMI) está desenvolvendo uma nova linha “preventiva” de crédito que pode ser aplicada a regiões e impõe menos condições para liberação de recursos que as linhas atuais. A informação foi dada hoje pelo diretor-gerente da organização, Dominique Strauss-Kahn, durante evento no Instituto Peterson para a Economia Internacional.

Segundo ele, a abordagem regional ajudaria a evitar o estigma relacionado aos empréstimos do FMI e as reações do mercado que podem elevar o custo dos empréstimos aos países. Segundo ele, a nova linha de crédito pode ser desenvolvida por completo até a próxima reunião de cúpula do G-20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo), em novembro.

Strauss-Kahn afirmou ainda que o FMI deveria ter acesso mais amplo aos fluxos de capital dos países. O executivo disse que o fundo também completará a reforma das cotas – que determinam qual será a contribuição e o poder de voto de cada membro na instituição – até a próxima reunião de cúpula do G-20. As informações são da Dow Jones.