Beneficiado por um cenário internacional favorável e por uma política macroeconômica considerada adequada, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2007 poderá ficar acima dos 4,4% previstos no início do ano pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). A avaliação é do vice-diretor-gerente do FMI, Murilo Portugal, que aponta, ainda, que o Brasil poderá ter um crescimento acima da média mundial já em 2008 se as atuais condições de crescimento forem mantidas. Portugal, porém, alerta: a vulnerabilidade externa ainda existe por causa da elevada dívida pública.

O brasileiro, que assumiu sua função em Washington no fim de 2006, não esconde que a situação externa e os preços de commodities são favoráveis ao crescimento dos países emergentes. "Estamos observando uma combinação da situação externa favorável e de reformas internas e decisões macroeconômicas que estão permitindo crescimento", disse.

Para ele, o Brasil tem condições de aproveitar o fato de que a economia mundial não sofreu uma dura desaceleração neste ano e, provavelmente, continuará a crescer em 2008 para também ter uma alta em seu PIB. "Olhando os números, vemos que estão sólidos", disse. Em 2007, a média do crescimento mundial será de 5%. Segundo Portugal, o maior risco para a economia brasileira são os choques externos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo