Belo Horizonte – O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, defendeu ontem a urgência para a retomada de queda de juros no País. Em conversa com o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, Paulinho discutiu o apoio às reformas tributária e previdenciária e ouviu do governador que o estado vem tendo perda de receita por causa da atual política econômica. O presidente da Força Sindical concordou com as críticas do vice-presidente da República, José Alencar, aos juros altos, afirmando que ele é uma pessoa que vem da indústria e sofre a pressão do setor para a queda das taxas. Paulinho informou também que a Força pretende iniciar articulações com as diversas centrais sindicais do País, incluindo a CGT e a CUT, além de outros governadores, e pedir uma audiência ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para exigir mudanças. Ele disse, no entanto, que as centrais ainda não têm perspectiva de fazer uma greve geral. “Não podemos fazer bravata neste momento, porque isso não ajuda o País.”

Segundo Paulinho, Alencar tem sido um aliado dos trabalhadores na medida em que vai à imprensa e diz o que pensa. Para ele, a equipe econômica do governo Lula está refém do sistema financeiro e do FMI. Paulinho informou que ainda hoje terá uma reunião com o presidente da Fiesp, Horácio Lafer Piva.

Servidores

O presidente nacional do PT, José Genoíno, afirmou ontem que “apenas uma pequena parcela dos servidores públicos” resiste à reforma da Previdência. “Mesmo entre os servidores públicos, 80% não serão atingidos com as reformas”, disse.