Brasília (AE) – Funcionários do Banco Central prometem paralisar suas atividades por algumas horas hoje, numa tentativa de pressionar o governo a abrir negociações salariais. ?Queremos dialogar?, disse o presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Paulo Calovi. A categoria quer reajustes salariais que variam de 33% a 50% e redução de jornada, entre outros pontos. O governo, segundo o sindicalista, oferece reajuste de 0,1%.

A paralisação durará de duas a três horas e ocorrerá em períodos diferentes em todo o País. Em São Paulo, ela será pela manhã. Em Brasília, está programada para ocorrer à tarde. Será uma paralisação de duas horas, após uma assembléia marcada para as 14h.

Segundo o presidente do Sinal, o movimento não trará prejuízos à população. ?Como são só algumas horas, não vejo como haver grande transtorno, a não ser um pouco de atraso na compensação dos TEDs?, disse. TEDs são transferências eletrônicas de recursos.

Prejuízo mais grave pode haver se os funcionários aprovarem a proposta de paralisação de 24 horas no próximo dia 18, e houver adesão maciça.

Nesse caso, disse Calovi, o Departamento de Meio Circulante poderá parar, o que em greves passadas já provocou falta de dinheiro nos caixas eletrônicos. Também haverá atraso em compensações de valores acima de R$ 5.000,00 e na negociação de títulos.