São Paulo  – O ministro Tarso Genro, secretário-especial do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), afirmou ontem que a queda de 1,5 ponto percentual da taxa básica de juros (Selic), decidida anteontem (23) pelo Comitê de Política Monetária (Copom), é positiva. Ele, porém, admitiu que gostaria que a redução fosse maior. Na avaliação de Genro, a decisão do Copom combinou parâmetros técnicos e políticos. “O rebaixamento é positivo e sinaliza de uma maneira forte e sustentável a redução da taxa de juros. Mas todos nós gostaríamos que baixasse mais”, afirmou ele.

O ministro disse também que o espetáculo do crescimento é um processo gradativo e começa a partir de medidas que já estão sendo tomadas pelo governo federal. Um exemplo “forte” disso, afirmou Genro, é o financiamento da safra agrícola de 2004, segundo ele, em termos reais 12% superior a esse ano. “Esse é um indicativo pesado”, avaliou.

Ele saiu ainda em defesa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que em evento com sindicalistas no ABC afirmou que o espetáculo do crescimento teria início neste mês.

Para Genro, ações como a redução da taxa de juros, o programa de microcrédito e o financiamento da safra agrícola, além de outras medidas “correlatas e secundárias” indicam que o processo do espetáculo do crescimento já começou. “O processo já começou. Agora, os seus efeitos não são sentidos imediatamente. Por isso digo que não é espetacular, e sim um espetáculo real, concreto, mas com toda a moderação que um processo de sustentabilidade recomenda.”