Padre Roque: positivo.

A Região Metropolitana de Curitiba apresentou um crescimento de 381,9% na criação de empregos durante o primeiro semestre deste ano, comparado ao desempenho obtido no mesmo período do ano passado. De janeiro a julho de 2004, foram criados 25.885 novos postos de trabalho com carteira assinada na RMC. Durante o mesmo período de 2003, foram 5.371 novas vagas.

As atividades que mais contribuíram para esse índice foram a indústria de transformação, com crescimento de 519,5%, o setor de serviços, com 308,3%, e o comércio, que ofereceu mais do que o dobro das vagas ofertadas no primeiro semestre de 2003. Foram 5.393 novos postos de trabalho de janeiro a julho deste ano, contra 2.672 vagas abertas no mesmo período de 2003 crescimento de 101,8%.

Os dados foram levantados pela Secretaria Estadual do Trabalho, Emprego e Promoção Social (SETP) através da Coordenadoria de Estudos, Pesquisas e Relações de Trabalho (CRT). A pesquisa foi feita em cima da divulgação do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) estatístico.

O secretário do Trabalho, Padre Roque Zimmermann, afirma que os números apresentados na RMC são resultado de um bom momento econômico. “O aumento das exportações beneficia grandemente o setor da indústria de transformação”, explica Padre Roque. Ele apontou a queda gradual das taxas de juros como fator positivo para o setor da construção civil, que começa a se recuperar depois de um período difícil. “A classe média não tem condições de financiar um imóvel quando a taxa de juros passa dos 18% ao ano. Se não existe compra, o setor fica estagnado”, completou o secretário. Padre Roque ainda destacou o aumento dos investimentos públicos na construção civil como fator estimulante à recuperação do setor.

O Estado do Paraná como um todo também apresentou um bom desempenho na criação de novas vagas no mercado formal de trabalho. De janeiro a julho de 2004 foram criados 106.311 novos postos de trabalho, número que representa um aumento de 67,4% em relação às 63.519 vagas criadas no mesmo período de 2003. O Estado aparece em terceiro lugar no cenário nacional quando o assunto é a criação de novos postos de trabalho, atrás apenas de São Paulo e Minas Gerais. O Paraná responde pela criação de 8,3% do total de novas vagas no País, à frente de estados como o Rio de Janeiro, que contribui com 5,3%, e do Rio Grande do Sul, com participação de 6,2% no total nacional.