O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, prevê que o conjunto de medidas de incentivo ao setor de bens de capital (máquinas e equipamentos) saia no início da semana que vem. Ele ressalvou que as medidas ainda estão em fase de formatação e sendo discutidas com o Ministério da Fazenda.

De acordo com Coutinho, uma desoneração do ICMS “é difícil, porque com os Estados é um processo mais complicado”. No entanto, ele também observou que existe sensibilidade por parte dos Estados para “um tratamento mais leve do ICMS sobre bens de capital”.

O presidente do BNDES acredita que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) este ano fique perto de 1% “ou um pouquinho abaixo, mas no ano que vem certamente vamos crescer 4%”. Ele defendeu a continuidade de estímulos e políticas para consolidar a recuperação da economia brasileira. Ele afirmou ainda que o setor de bens de capital está em um vale, mas mostra boas perspectivas para 2010.

Coutinho prevê que no último trimestre de 2009 a utilização da capacidade instalada da indústria de transformação deve chegar a 81%. Ele acredita também que o cenário vai melhorar no ano que vem, levando a uma retomada dos investimentos.

Coutinho afirmou que há expansão de investimentos em setores como petróleo e gás e energia. Para ele, alguns fabricantes de bens de capital deveriam converter parte de sua produção para esses setores. O executivo vê boas perspectivas também para os bens de capital para agricultura.

O secretário de planejamento do Rio de Janeiro, Sérgio Ruy Barbosa, afirmou que o Rio de Janeiro já desonerou o ICMS sobre bens de capital no fim do ano passado e que os Estados de São Paulo e Minas Gerais também já tomaram providências em relação a isso. Coutinho e Barbosa participam do 38º Forum Nacional dos Secretários Estaduais de Planejamento, no Rio.