As contas do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) voltaram ao vermelho e apresentaram em maio o pior resultado para o mês em 11 anos. O governo central registrou um déficit de R$ 509,7 milhões no mês de maio, segundo dados divulgados hoje pelo Tesouro Nacional. No mês de abril, o governo central havia registrado um superávit de R$ 16,596 bilhões. O resultado negativo de maio foi gerado, principalmente, por um desempenho ruim das contas do Tesouro, que teve um superávit de R$ 2,119 bilhões, ante um superávit de R$ 19,689 bilhões em abril. A Previdência Social registrou um déficit de R$ 2,589 bilhões em maio, enquanto o Banco Central teve um resultado negativo de R$ 39,3 milhões. Tanto a Previdência quanto o Banco Central computaram resultado melhor do que em abril, quando o déficit nas contas previdenciárias foi de R$ 3,011 bilhões e do Banco Central, de R$ 80,9 milhões.

Os dados contrariaram fortemente as expectativas dos analistas, que não previam resultado negativo. As estimativas eram de superávit de R$ 248 milhões a R$ 5,1 bilhões, de acordo com um grupo de 13 instituições do mercado financeiro consultadas pela Agência Estado. Com base neste intervalo de expectativas, a mediana calculada era de R$ 3,1 bilhões de superávit. De janeiro a maio, o governo central registra um superávit de R$ 24,209 bilhões. Esse valor supera em R$ 5,052 bilhões o superávit do mesmo período de 2009. Segundo os dados, o resultado do governo central no acumulado do ano equivale a 1,73% do Produto Interno Bruto, ante 1,56% do PIB registrado de janeiro a maio de 2009. Em maio de 1999, as contas do governo central apresentaram déficit de R$ 650 milhões.

O déficit nas contas do governo central em maio é o terceiro resultado negativo obtido neste ano. Nos cinco primeiros meses de 2010, as contas do governo central apresentaram déficit em fevereiro, março e em maio. Porém, os fortes superávits registrados em janeiro (R$ 13,866 bilhões) e em abril (R$ 16,596 bilhões) compensaram os resultados negativos apurados nos outros três meses do ano.

Receita

As receitas do governo central cresceram 17,9% de janeiro a maio deste ano, na comparação com o mesmo período de 2009. As despesas registraram um aumento de 18,5%, no mesmo período de comparação. Segundo dados divulgados hoje pelo Tesouro Nacional, os gastos aumentaram 33,3% com custeio e capital, 14,1% com pagamento de benefícios e 8,4% com pagamento de pessoal. As transferências para Estados e Municípios subiram 12,4%, de janeiro a maio, em relação ao mesmo período de 2009.