O principal ponto de discussão entre autoridades da Grécia e representantes da troica – União Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI) – no primeiro dia de reuniões em Atenas foi a possível necessidade de o país adotar mais medidas de austeridade para fechar o rombo fiscal previsto para o próximo ano.

Entre as metas determinadas pelos credores internacionais, a Grécia precisar alcançar um superávit orçamentário primário equivalente a 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014 e ampliar essa proporção nos anos seguintes. Para este ano, a expectativa é de que o governo grego tenha o primeiro superávit primário em várias décadas, o que sinalizará o fim dos déficits crônicos que prejudicaram o país durante anos.

Apesar disso, os inspetores internacionais dizem que a Grécia ainda pode ter de tomar mais medidas de austeridade para cobrir um esperado rombo de 2,0 bilhões de euros a 2,5 bilhões de euros e cumprir a meta orçamentária do próximo ano. O governo grego, no entanto, rejeita a ideia de ter de fazer mais cortes no orçamento ou aumentar impostos e diz que ficará apenas 500 milhões de euros abaixo da meta de 2014.

“Foi uma boa primeira reunião”, afirmou uma fonte do Ministério de Finanças da Grécia que participou do encontro com a troica. “Uma das coisas que discutimos foi o plano orçamentário para 2014 e uma série de iniciativas como administração fiscal”, acrescentou.

Segundo a fonte, a troica vai coletar informações durante a semana sobre em que ponto está a implementação das reformas na Grécia e posteriormente haverá mais uma reunião, “provavelmente na sexta-feira”. Fonte: Dow Jones Newswires.