O presidente do Federal Reserve (o banco central dos EUA), Alan Greenspan, fez ontem um alerta aos investidores de que as recentes valorizações nos mercados acionários mundiais podem ?prontamente desaparecer? com a redução da abundância de capitais dispostos a investir em papéis mais arriscados. ?O que eles (os investidores) percebem como uma abundante liquidez pode prontamente desaparecer?, afirmou ele em uma conferência anual com presidentes de bancos centrais.

Segundo o presidente do Fed, ?qualquer aumento na cautela dos investidores? pode causar quedas nos preços das ações e forçar investidores a vender ativos para pagar dívidas.

Entre investidores, os comentários foram classificados entre os mais firmes já feitos por Alan Greenspan. Desde que alertou sobre a ?exuberância irracional? dos mercados em 1996 e derrubou Bolsas no mundo inteiro, Greenspan se tornou mais comedido.

Em 1999, na mesma conferência anual de presidentes de bancos centrais, no entanto, Greenspan alertou que os preços das ações eram ao mesmo tempo ?inexplicáveis e extraordinários?. Meses depois, as Bolsas dos EUA iniciaram uma severa correção.

Ontem Greenspan não foi muito específico. Ele sugeriu não estar particularmente preocupado com os preços do petróleo, que neste ano já subiram mais de 44% para até o recorde de US$ 68 o barril. No entanto, afirmou que as mudanças na estrutura da economia mundial nos recentes anos têm forçado os presidentes de bancos centrais a prestar atenção especial aos preços das ações.

Segundo o presidente do BC americano, a renda da população tem acompanhado variações das Bolsas. Com a valorização recente no mercado, a tendência é de alta também nos rendimentos dos americanos.

Logo, se um possível aumento do risco no mercado afugentar investidores e depreciar o preço das ações, o resultado será redução no consumo e desaquecimento da economia americana.

Em seu discurso, Greenspan também alertou para o risco do crescimento do protecionismo no comércio internacional.