O risco de uma nova greve de caminhoneiros ronda o Brasil. A Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava) afirmou nesta terça-feira (14) que a redução do ICMS sobre o diesel é ineficaz e que, diante da perspectiva de novo aumento de preços, uma greve “é o mais provável e não demora muito”.

A Abrava argumenta que os impactos da medida serão temporários, já que o mercado espera novos reajustes nas refinarias para acompanhar a alta das cotações internacionais do petróleo e da desvalorização cambial.

+ Leia mais: Mais 14 linhas de ônibus de Curitiba passam a aceitar somente cartão-transporte, de débito ou crédito

Em nota, a associação liderada pelo caminhoneiro Wallace Landim, conhecido como Chorão, reforça críticas sobre a condução da crise pelo governo, que vem anunciando “medidas tabajaras” de olho na reeleição, em vez de focar em mudanças na política de preços da Petrobras.

“Qualquer percentual, de qualquer produto, que se anuncie retirar do preço do combustível será ineficaz para sua efetiva redução”, diz o texto divulgado nesta terça, com comentários sobre a aprovação pelo Senado, na segunda (13), de projeto que estabelece teto para o ICMS sobre os combustíveis.

Dados

Segundo dados da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o preço médio do diesel nas refinarias brasileiras está hoje R$ 0,99 por litro abaixo da paridade de importação, conceito usado pela Petrobras em sua política de preços.

É o quinto dia seguido com defasagem acima de R$ 0,90 por litro no preço do diesel, produto hoje escasso no mercado global devido a cortes na produção russa e ao maior uso em térmicas. Na gasolina, ainda segundo estimativa da Abicom, a diferença é de R$ 0,73 por litro.

LEIA TAMBÉM:

>> Proteção Animal de Curitiba abre mil vagas para castração gratuita de cães e gatos

>> Corridas de rua em Curitiba têm mais duas etapas no fim de semana no estilo Smart

“Ora, não é preciso ser um economista para chegar à conclusão que dois ou três aumentos consumirão toda a redução que se pretende fazer por meio dos tributos, correndo risco do litro desses combustíveis ficarem ainda mais caros do que hoje”, diz a Abrava.

Para a associação, o esforço para reduzir tributos sobre os combustíveis mostra “um governo desesperado”. Além de mudanças na Petrobras, a entidade pede que o diesel seja custeado pelos contratantes do transporte, como ocorre com o pedágio.

“Essa despesa de viagem precisa ser integralmente ressarcida, ficando o profissional autônomo com seu frete livre de despesas de viagem”, sugere, pedindo apoio ao projeto de lei do senador Lucas Barreto (PSD-AP) que estabelece ressarcimento com os gastos com combustível.

+ Viu essa? Veja os serviços que abrem e fecham na prefeitura de Curitiba para o feriado de Corpus Christi!

“A verdade é que, de uma forma ou de outra, mantendo essa política cruel de preços da Petrobras, sem garantia de que o caminhoneiro tenha suas despesas de viagem integralmente ressarcidas, a categoria vai parar”, afirma a Abrava.

“Se não for por greve, vai ser pelo fato de se pagar para trabalhar. A greve é o mais provável e não demora muito”, conclui.

Pantanal

Eugênio encontra Renato e Roberto à deriva

Além da Ilusão

Matias vê Úrsula descartar a barriga falsa

Novidades

Comédia com Paulo Gustavo e mais filmes e séries chegam nesta semana na Netflix, confira!

Carreira

Ganhadora do prêmio de pior atriz a vida rodeada de polêmicas, quem é Anne Heche?