Foto: Anderson Tozato

Mercado doméstico de vôos comerciais cresceu 19,4%.

A crise aérea parece não estar afetando em demasia o mercado de trabalho de comissários e pilotos. Apesar dos últimos acidentes registrados na aviação brasileira e dos diversos problemas verificados nos aeroportos, a construção de uma carreira profissional no céu do Brasil ainda é considerada vantajosa. Segundo o Sindicato Nacional de Empresas Aeroviárias (SNEA), o mercado domésticos de vôos comerciais no País cresceu 19,4% em 2005 se comparado a 2004. Este ano, apesar da crise, ?o mercado ainda reflete positivamente o crescimento dessa demanda e abre espaço para novos profissionais no segmento?.

?A crise diz respeito mais ao controle aéreo e à parte administrativa dos aeroportos. Nos últimos dois anos, muitas companhias aéreas foram criadas e muitas ampliaram suas frotas, pegando pilotos da aviação de pequeno porte e executiva. Desta forma, diversas vagas foram abertas aos profissionais e também aos comissários de bordo?, diz o coordenador de cursos da Aerocon Escola de Aviação Civil, de Curitiba, Anderson Ramalho.

Segundo ele, um comissário pode ser formado em quatro meses, podendo começar a trabalhar após aprovação em banca da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O investimento necessário é de cerca de R$ 1.300,00 e o salário médio inicial é de R$ 2.500,00. Já um piloto deve passar por diversas fases de formação, podendo assumir funções diferentes conforme a quantidade de horas de vôo realizada. A categoria tem piso salarial de R$ 2.500,00. Porém, um piloto de linha internacional chega a ganhar R$ 18 mil mensais. O esforço para tanto não é pequeno, sendo que os profissionais devem passar por formação constante.

?Pretendo terminar um curso de piloto comercial na metade do ano que vem. Voar é uma paixão que tenho desde a infância e quero seguir carreira na aeronáutica. Considero o mercado promissor, mas sei que vou ter que estudar e me aprimorar durante toda a vida. O piloto é um eterno aprendiz, mas que tem excelentes oportunidades de trabalho?, comenta o estudante Lucas Torres, de 18 anos, um dos jovens que resolveram ?abraçar? a profissão.

Para ingressar em um curso de comissário, o ideal é que a pessoa tenha entre 18 e 28 anos de idade. Já para ser piloto, não há idade estipulada.

Mesmo pessoas que ingressam na atividade com 35 anos acabam conseguindo colocações no mercado de trabalho. O investimento inicial para piloto privado é de cerca de R$ 8 mil. Já para comercial, é de cerca de R$ 30 mil. Os profissionais também passam por exames rigorosos de saúde.