O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou baixa de 1,41% no terceiro trimestre deste ano em relação ao segundo, na série com ajuste do BC. O resultado divulgado nesta quarta-feira, 18, apresentou um recuo maior do que a mediana de -1,26% das previsões do mercado financeiro colhidas com 24 instituições pelo AE Projeções. A amostragem apontava um range de -2,00% a -1,08% para essa comparação trimestral na margem, com ajuste.

Já na comparação entre o terceiro trimestre de 2015 e o mesmo período de 2014, sem ajuste sazonal, o IBC-Br ficou em -5,09%. A expectativa apurada pelo AE Projeções com analistas era de uma queda de 4,91% (mediana) nesse tipo de comparação, podendo variar de -5,30% a -3,10%. O IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses.

Revisões

O Banco Central revisou a série do IBC-Br, como faz todos os meses. Em agosto, a taxa inicial de -0,76% foi mantida nesse patamar. Em julho, a queda de 0,01% do índice sofreu mudança para -0,13%. Em junho, a taxa negativa de 0,85% foi alterada para -0,92%. Em maio, a alta de 0,03% foi revisada para +0,01%.

No caso de abril, a baixa de 1,04% ficou inalterada. Em março, a variação deixou de ser de -1,41% e passou para -1,43%. Em fevereiro, a taxa de +0,57% foi mantida. Todos os dados são referentes às variações na margem, na série com ajuste sazonal.