Embalada pelo aquecimento da demanda interna, diversificação de mercados exportadores e mudanças nas estratégias de negociações com compradores internacionais, a produção de calçados começou a reagir de forma mais intensa em outubro. Segundo dados do IBGE, o setor, que acumulava uma queda de 4,6% na produção de janeiro a setembro, reverteu para um aumento de 9,2% em outubro na comparação com igual mês do ano passado.

O coordenador de indústria do IBGE, Silvio Sales, cita o aumento da demanda doméstica como principal justificativa para a expansão de outubro. O diretor executivo da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), Heitor Klein, concorda com Sales e acredita que o aquecimento do mercado interno, para o setor, será ainda mais forte em 2008.

Klein disse que a demanda interna por calçados realmente vem crescendo neste quarto trimestre, o que se deve às encomendas do varejo para o final do ano e ao aumento da renda disponível. Segundo ele, alguns empresários do setor acreditam também que os consumidores estão voltando a comprar calçados, depois de direcionar os recursos para outros produtos que se tornaram prioritários, como aparelhos celulares.

Além do aumento da demanda interna, Klein atribui o crescimento da produção apurado pelo IBGE em outubro também a um redirecionamento das exportações do setor. Segundo ele, ainda que o câmbio prossiga como um problema para os empresários nas vendas externas, há um crescimento "bastante interessante" na venda de produtos com maior valor agregado. Os Estados Unidos, que eram destino de 85% das exportações brasileiras de calçados "há alguns anos", hoje respondem com menos de 50%, já que parte das vendas foram redirecionadas para outros países da América do Sul e Europa Central.