A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou deflação de 0,06% em abril, após avançar 0,31% em março. O IGP-DI acumula alta de 6,83% em 12 meses e 0,76% no ano, divulgou nesta quarta-feira, 8, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado ficou dentro do intervalo das projeções do mercado. De acordo com estimativas de 40 instituições do mercado financeiro ouvidas pela AE Projeções, as expectativas foram de -0,13% a 0,15%. Foi inferior, entretanto, à mediana de +0,06%.

A FGV informou os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-DI. O IPA-DI, que representa o atacado, ficou em -0,39% no mês passado, após ficar em 0,12% em março. O IPC-DI, que apura a evolução de preços no varejo, cresceu 0,52% em abril, em comparação com a alta de 0,72% em março. Já o INCC-DI, que mensura o impacto de preços na construção, apresentou elevação de 0,74% no mês passado, em comparação com a taxa positiva de 0,50% em março. O período de coleta de preços para o IGP-DI de abril foi do dia 1º a 30 do mês passado.

Agropecuária

A inflação agropecuária voltou a cair em abril. Os preços dos produtos agrícolas atacadistas registraram variação de -2,69% no mês passado, após queda de 0,72% em março. Segundo a FGV, a inflação industrial atacadista foi positiva. Os preços dos produtos industriais no atacado registraram alta de 0,51% no mês anterior, em comparação à alta de 0,46% em março.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram alta de 0,40% em abril, após alta de 1,18% em março.

Os preços dos bens intermediários caíram 0,26% no mês passado, em comparação à taxa, também negativa, de 0,17% em março. Já os preços das matérias-primas brutas registraram queda de 1,50% em abril, em comparação à queda de 0,78% em março.