As importações brasileiras crescem em junho em um ritmo muito mais forte do que as exportações. Os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior registram uma alta de 34,5% na média diária deste mês na comparação com junho de 2006. As exportações crescem 19,7%.

O desempenho forte das importações, fruto da valorização do real já levou alguns institutos a preverem que o primeiro semestre será recorde de evolução das importações nos últimos 10 anos. No acumulado do ano, totalizam US$ 50,323 bilhões. Até a quarta semana, somam US$ 7,080 bilhões, com média diária de US$ 472 milhões. Aumentaram as compras principalmente de adubos e fertilizantes, cobre e suas obras, químicos orgânicos e inorgânicos, automóveis e partes.

Do lado das exportações, há aumento nas vendas das três categorias de produtos. Os embarques de básicos subiram 29,9%, principalmente, milho em grão, carnes de frango, suína e bovina, farelo de soja, soja em grão, minério de cobre e café em grão. Os manufaturados cresceram 15,8%, por conta de suco de laranja, gasolina, laminados planos, motores e geradores, polímeros plásticos, calçados e automóveis de passageiros. As exportações de semimanufaturados tiveram alta de 14,1% puxadas principalmente, pelas vendas de ferro-ligas, óleo de soja em bruto, ferro fundido, celulose, couros e peles e alumínio em bruto. As exportações somam no mês US$ 9,803 bilhões e, no ano, US$ 69,900 bilhões.