O Estado de São Paulo foi responsável pelo pagamento de 37,3% do R$ 1 trilhão em tributos arrecadados no primeiro semestre no País, informou nesta quinta-feira, 2, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O levantamento foi realizado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) com dados do Impostômetro até o dia 29 de junho.

O Rio de Janeiro ficou em segundo lugar, com 14,24%, seguido por Distrito Federal (6,86%) e Minas Gerais (6,75%). O Estado que teve a menor contribuição foi Roraima, com 0,11%.

Os dados indicam ainda que, desse R$ 1 trilhão, 61,25% são de tributos federais, 28,18% estaduais e 10,57% municipais. No geral, o tributo de maior arrecadação é o ICMS, com 18,41% do total, seguido pela contribuição previdenciária para o INSS (16,09%), Imposto de Renda (15,57%) e Cofins (9,36%).

Segundo o economista-chefe da ACSP, Marcel Solimeo, mesmo com a crise que afeta as vendas do comércio a tributação do consumo foi significativa por causa do aumento das tarifas de energia elétrica. “É evidente que a arrecadação cai com a diminuição do consumo das famílias, mas tivemos, por exemplo, um aumento de mais de 45% na energia elétrica, um dos setores mais tributados do Brasil”, ressalta.