Os impostos sobre produtos cresceram mais que a indústria, serviços e agropecuária no segundo trimestre em todas as comparações em que ela aparece, de acordo com dados da pesquisa do Produto Interno Bruto (PIB) do IBGE. As informações se referem à arrecadação e não necessariamente a alta de alíquotas ou base de contribuição. A coordenadora da pesquisa do PIB trimestral, Rebeca Palis, comentou que houve aumento tanto do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), quanto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto de Importação (II).

Em relação ao mesmo período do ano passado, os impostos aumentaram 8,6%, enquanto a indústria cresceu 6,8%; os serviços, 4,8% e a agropecuária 0,2%. No primeiro semestre deste ano, a alta dos impostos sobre produtos foi de 7,8%, enquanto a indústria aumentou 4,9%; os serviços, 4,7% e agropecuária, 1,4%. Em 12 meses até junho, os impostos subiram 6,9% e a média de valor adicionado pelos três setores produtivos 4,4%. A agropecuária cresceu 6,6%; a indústria, 4,2% e os serviços também 4,2%. No primeiro trimestre, os impostos também tinham crescido mais que a média dos setores econômicos tanto em relação ao mesmo período de 2006 quanto no período de 12 meses terminados em março.

Em valores, os impostos sobre produtos somam R$ 87,511 bilhões no segundo trimestre e R$ 172,581 bilhões no primeiro semestre. Pelos dados do segundo trimestre, os impostos equivalem a aproximadamente 2,5 vezes o total adicionado pela agropecuária, que foi de R$ 35,062 bilhões nos três meses de abril a junho deste ano. O valor dos impostos também já é mais de 50% do gerado pela indústria no segundo trimestre, de R$ 161,781 bilhões. O setor de serviços é o maior da economia e no segundo trimestre gerou R$ 345,846 bilhões.