O Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE) para o Brasil permaneceu estável em maio, em 90,1 pontos, divulgaram nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação GetUlio Vargas (Ibre/FGV) e o Conference Board. O resultado veio após retrações de 1,1% em abril e de 1,0% em março. Segundo as instituições, contribuíram positivamente para o resultado de maio o índice de exportação, de expectativas do setor de serviços e dos consumidores e o de produção física de bens de consumo duráveis.

O Indicador Coincidente Composto da Economia (ICCE), que mede as condições econômicas atuais, também ficou inalterado em maio na marca de 103,7 pontos. O resultado veio depois de uma queda de 0,1% em abril e outra de 0,2% em março. De acordo com o Ibre e o Conference Board, o número de pessoas ocupadas, o índice de volume de vendas do comércio varejista e o consumo de energia elétrica na indústria contribuíram positivamente para o indicador do quinto mês do ano.