A taxa de inadimplência líquida anualizada (medida entre novembro de 2001 a outubro de 2002) atingiu em outubro deste ano 2,56%, a mais baixa da série histórica da Associação Comercial do Paraná desde 1995. Este baixo índice pode ser explicado por três fatores: o incremento de renda do consumidor com o resgate do FGTS; o consumo mais consciente e racional num cenário de relativa estabilidade da moeda; e a definição do quadro político.

A inadimplência em Curitiba é uma das mais baixas do País (em São Paulo, por exemplo, a taxa atingiu 6,61% até outubro de 2002).

Consultas

O número de consultas aos sistemas Videocheque -indicador de vendas à vista – e ao Sistema Central de Proteção ao Crédito (SCPC) – indicador de vendas a prazo – aumentaram em relação ao mês anterior, como ocorre todo ano em outubro, mês beneficiado com as vendas do Dia das Crianças. No SCPC as consultas aumentaram em 10,49% em outubro em relação a setembro (340.911 em outubro contra 308.556 em setembro), 14,77% abaixo do aumento ocorrido em outubro de 2001, porém 11,28% acima ao de outubro de 2000. Comparando os mesmos meses, o incremento de consultas ao Videocheque foi de 10,79% (289.735 em outubro contra 261.506 em setembro).

O desempenho das consultas ao SCPC entre janeiro e outubro de 2002, apesar de estar abaixo de 2001 (considerando um ano de crescimento atípico) em 13,35%, é superior à 2000 em 7,33%. Já no Videocheque, ocorreu um aumento de 1,79% em 2002 no número de consultas acumuladas no ano (entre janeiro e outubro) em relação a 2001. Este aumento relativo de consultas à vista e a queda de consultas ao SCPC podem sinalizar uma mudança gradual no comportamento do consumidor que começa a perceber as vantagens da compra à vista em relação aos juros embutidos quando compra a prestação. Assim, o cheque vem recuperando gradativamente o espaço perdido para os cartões.

Ramos de atividade

A ACP, em busca de indicadores ainda mais consistentes, inicia este mês a apresentação da evolução no número de consultas ao SCPC por ramos de atividade. Em outubro foram medidas as consultas no setores de Calçados, Vestuário, Concessionárias de Veículos e Cine-foto-som e ótica. Foi verificado um incremento em todos eles no confronto entre outubro e setembro de 2002, sendo que o setor de Calçados registrou o maior crescimento (18,92%), seguido por Vestuário (14,37%), Cine-foto-som e ótica (11,65%) e Concessionárias de Veículos (7,91%).

Previsão

A baixa taxa de inadimplência e o sensível aumento no número de consultas registrados em setembro sinalizam que o consumidor está usando sua renda principalmente para quitar as dívidas. Dessa forma, espera-se que ele comece a comprar mais a partir de novembro, já pensando no Natal. Alguns trabalhadores também começam a receber parcelas do 13.º e podem destiná-las ao consumo em novembro, até por medo de um eventual aumento nos preços, impulsionado pelo alto patamar da taxa de câmbio.