Depois da estabilidade registrada em agosto, a produção industrial voltou a cair em setembro, com o nível de capacidade industrial das plantas no mesmo patamar e o emprego em queda. É o que indica a pesquisa Sondagem Industrial, divulgada nesta sexta-feira, 21, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O índice que mede a evolução da produção industrial ficou em 45,8 pontos – pela metodologia da pesquisa, números abaixo de 50 indicam queda. Em agosto, esse índice havia ficado em 50,8 pontos, acima da linha divisória pela primeira vez em 14 meses, mas ainda indicando estabilidade. Em setembro de 2015, no entanto, a queda era mais acentuada (42 pontos).

A utilização da capacidade instalada ficou no mesmo patamar de agosto, 66%. O indicador de evolução do número de empregados aumentou 0,2 ponto, para 46,5 pontos, o que representa queda no emprego. “O índice mostra tendência de crescimento desde fevereiro, o que evidencia uma tendência de desaceleração da queda do número de empregados”, explica o documento.

O nível dos estoques (49,7 pontos) e o índice de estoque efetivo/planejado (49,6 pontos) ficaram praticamente inalterados em setembro. Os industriais estão insatisfeitos com a situação financeira (41,5 pontos), com o acesso ao crédito (30,5 pontos) e com a margem de lucro operacional (36,4 pontos) – indicadores abaixo de 50 pontos representam insatisfação.

Houve uma redução no otimismo em relação aos próximos seis meses, mas o empresário ainda espera uma recuperação na demanda (52,3 pontos, ante 54,9 pontos em agosto) e aumento da quantidade exportada (50,8 ante 52,4 pontos).

A expectativa é de queda do número de empregados (46 pontos, ante 47,9) e a intenção de investir continua em baixa (43,5 ante 43,4 em agosto).