A produção industrial do Paraná avançou 18,6% em março, em relação a fevereiro, de acordo com pesquisa divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice foi o maior entre os 14 estados e regiões pesquisados, ficando bem à frente da média nacional, de 2,8%. No índice obtido na comparação com março do ano passado, a indústria paranaense também cresceu mais que no País: 23,7%, contra 19,7%, respectivamente.

Os indicadores trimestrais também mostram evolução da indústria do Estado. O primeiro trimestre teve crescimento de 12,7% frente ao mesmo período de 2009, e de 5,8% na comparação com os últimos três meses do ano passado. Nos últimos 12 meses, o índice acumulado ficou 1,1% acima do registrado nos 12 meses imediatamente anteriores.

A alta na comparação com março do ano passado veio graças a avanços em 10 das 14 atividades pesquisadas. Os destaques ficaram com os veículos automotores (54,1%), edição e impressão (47,9%) e máquinas e equipamentos (56,7%).

As indústrias do mobiliário (82,5%), de produtos de metal (39,4%) e de borrachas e plásticos (22,4%) também ficaram entre os maiores avanços. Já os setores de outros produtos químicos (-26,3%), alimentos (-4,5%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-3,9%) e madeira (-3,9%) tiveram produção mais baixa, no período.

No acumulado do primeiro trimestre, os veículos (67,5%) e as máquinas e equipamentos (44,4%) tiveram as mais fortes influências, acompanhados dos alimentos (1,1%).

O setor mobiliário (59,1%) também foi destaque positivo. Edição e impressão (-17%), outros produtos químicos (-5%) e madeira (-4,6%) foram os únicos segmentos com baixa.

Através de comunicado do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), o pesquisador Fernando de Lima lembrou que, em parte, o bom desempenho ainda reflete a baixa base de comparação com o ano anterior.

“O primeiro trimestre de 2009 foi particularmente negativo para a indústria”, ressaltou. Ainda assim, ele afirmou que “é possível notar avanços principalmente em setores que ainda estavam sob efeito da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), como veículos automotores e mobiliário e seus fornecedores”.

Destaques

Além do Paraná, a produção industrial subiu em outras 11 das 14 regiões pesquisadas em março, ante o mês anterior, segundo o IBGE. Os demais destaques de crescimento, nesta base de comparação, ficaram com Amazonas (10,1%), Pernambuco (4,4%), Rio Grande do Sul (4,1%) e Santa Catarina (3,7%). Apenas Ceará (queda de 0,3%) e Goiás (recuo de 6,8%) apresentaram taxas negativas.

Em relação a março de 2009, as 14 regiões pesquisadas registraram taxas positivas, “que refletem a aceleração no ritmo da produção e também a base de comparação retraída, decorrente dos efeitos da crise econômica internacional”, de acordo com o documento de divulgação da pesquisa.

As variações em relação a março do ano passado oscilaram entre os 45% do Espírito Santo e os 7% do Pará. Destacaram-se, também, Amazonas (39,9%), Pernambuco (25,3%), Goiás (23,7%) e Minas Gerais (22,4%), bem como o Paraná.