Brasília – Apesar de considerar que não há risco de racionamento de energia no Brasil em 2008, a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) avalia que as usinas térmicas acionadas para garantir o fornecimento poderão demandar o gás natural que hoje está à disposição das indústrias, o que teria reflexos negativos no mercado.

?Se as indústrias tiverem que voltar a usar o gás liquefeito de petróleo (GLP), teremos um aumento considerável de custo, que inevitavelmente será repassado aos produtos?, afirmou  nesta terça-feira (22) à Agência Brasil o presidente da Abinee, Humberto Barbato.

O governo deveria lançar uma campanha pelo consumo racional de energia, defendeu Barbato. ?Isso é válido em qualquer país e em qualquer momento, pois é uma questão de inteligência. Uma campanha esclarecedora para a população, sobre o uso racional, viria em boa hora, sem dar a sensação de que vai faltar energia?, afirmou.

Ontem (21), o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, reiterou não ser necessário orientar a população a economizar energia.