A inflação anual da zona do euro (grupo dos 16 países que adotam a moeda única) desacelerou em junho para 1,4%, de 1,6% em maio, segundo a Eurostat. Na comparação com maio, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) ficou inalterado em junho, depois de subir 0,1%. Os números indicam que o Banco Central Europeu (BCE) tem espaço para manter as taxas de juros no nível mínimo histórico por mais algum tempo. Os dados finais confirmaram as estimativas preliminares sobre inflação anual e ficaram em linha com a expectativa dos economistas.

O núcleo da taxa anual de inflação, no entanto – que exclui os preços da energia, alimentos, álcool e tabaco -, subiu para 0,9% em junho, de 0,8% nos dois meses anteriores. A inflação dos preços da energia desacelerou para 6,2% em junho, de 9,2% em maio, marcando o menor nível desde fevereiro.

Produção industrial

A produção industrial nos 16 países que fazem parte da zona do euro cresceu 0,9% em maio, na comparação com abril, e 9,4% em relação a maio de 2009, informou a Eurostat. Os números ficaram abaixo da expectativa dos economistas, que era de expansão de 1,3% no mês e de 11,3% no ano. Os dados de abril foram revisados em leve alta para mostrar aumento de 0,9% na produção em comparação com março e de 9,6% ante abril do ano passado. Originalmente, a Eurostat havia calculado altas de 0,8% no mês e de 9,5% no ano. Nos 27 membros da União Europeia, a produção industrial cresceu 1,0% em maio ante abril e 8,7% em maio ante o mesmo mês de 2009. As informações são da Dow Jones.