O ministro do Planejamento, Guido Mantega, disse ontem que uma possível mudança na meta de superávit primário (de 4,25% do PIB) não vai comprometer os investimentos do governo previstos para 2004. Segundo ele, a mudança no superávit ainda está em estudo e depende de uma definição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Temos que analisar todos os impactos (da mudança na meta), mas uma coisa é certa, nós não vamos prejudicar o nível de investimentos, não vamos prejudicar a infra-estrutura em hipótese nenhuma e vamos cumprir o orçamento que nós propusemos ao Congresso”, disse Mantega, depois de uma reunião com o ministro da Fazenda, Antônio Palocci.

A intenção do governo é investir cerca de R$ 10 bilhões este ano. O ministro do Planejamento não quis entrar em detalhes sobre as hipóteses que o governo vem estudando como forma de aumentar a meta de superávit primário, mas admitiu que ela poderia vir de um excesso de arrecadação ou de redução de gastos, lembrando novamente que isso não comprometeria os investimentos.

“O aumento do superávit poderia vir de excesso de arrecadação e poderia vir de reduções de gastos. Mas o governo pretende cumprir na íntegra o orçamento de 2004, inclusive com mais investimentos em infra-estrutura, porque eles são necessários para o crescimento sustentável”, afirmou.