O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação da cidade de São Paulo, teve alta de 0,83% na segunda quadrissemana de agosto. O número indica ligeira desaceleração em relação à leitura da primeira quadrissemana, quando o índice avançou 0,84%.

O resultado apurado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) veio acima da mediana das previsões de 12 instituições consultadas pelo AE Projeções, de alta de 0,80%, e ficou exatamente no teto das estimativas, que iam de +0,73% a +0,83%.

Apenas o grupo de Alimentação desacelerou os ganhos, com alta de 0,15% na segunda quadrissemana de agosto, ante aumento de 0,61% na leitura anterior.

Por outro lado, houve aceleração nos preços de Habitação, de +1,50% na primeira quadrissemana de agosto para +1,67% na segunda quadrissemana; de Transportes, de +0,11% para +0,19%; de Despesas Pessoais, de +0,88% para +1,09%; de Saúde, de +1,76% para +1,83%; e de Educação; de +0,05% para +0,07%.

Além disso, os preços de Vestuário caíram em ritmo mais lento na segunda prévia de agosto, de 0,27%, após recuarem 0,32% na primeira quadrissemana.

Veja como ficaram os itens que compõem o IPC na segunda quadrissemana de agosto:

Habitação: 1,67%

Alimentação: 0,15%

Transportes: 0,19%

Despesas Pessoais: 1,09%

Saúde: 1,83%

Vestuário: -0,27%

Educação: 0,07%

Índice Geral: 0,83%